• ENTRAR
  • Nenhum produto no carrinho.

A Corrida e a Osteoporose

Corrida como aliada no tratamento e prevenção da Osteoporose

Mais comum no sexo feminino e principalmente a partir dos 50 anos de idade, a osteoporose é uma doença que deixa os ossos mais porosos, o que consequentemente os deixa fracos e suscetíveis à fratura, principalmente no quadril e fêmur, onde a descarga de peso é maior constante.

A osteoporose acontece quando há um desequilíbrio entre as atividades dos Osteoblastos e Osteoclastos, células que produzem e fagocitam a matriz óssea, respectivamente. Vários são os fatores causadores desse desequilíbrio, dentre eles podemos ressaltar a carência de Cálcio e/ou Vitamina D, que são utilizados pelos Osteoblastos na produção da matriz óssea, bem como alterações hormonais, como a queda do estrogênio nas mulheres que se inicia na menopausa. O estrogênio, entre outras funções importantes, é responsável por fixar o cálcio no osso.

O índice de diagnóstico da osteoporose em homens é menor por conta da testosterona que impede o desgaste ósseo. Sendo assim, o risco de desenvolvimento deste quadro inicia-se após os 50 anos de idade, quando há o início da andropausa. Entretanto, por não ser muito comum o diagnóstico em homens, ele costuma acontecer muito tardiamente, geralmente após alguma fratura proveniente da doença.

O estágio inicial da osteoporose é reconhecido como osteopenia, que é um quadro reversível quando diagnosticado e tratado corretamente. O diagnóstico dá-se a partir de um exame chamado Densitometria Óssea, que consiste e analisar a densidade óssea da coluna lombar, região proximal do fêmur e o terço distal do rádio.

O tratamento vai depender do diagnóstico da causa da osteoporose naquele indivíduo, podendo entrar com suplemento de vitamina e minerais e exercícios físicos com acompanhamento profissional. 

As vibrações causadas pelas passadas durante a corrida são estimulantes para o funcionamento dos Osteoblastos, por isso a corrida é uma importante aliada no tratamento da patologia. Acontece que, se uma pessoa já possui o diagnóstico de osteoporose, é necessário avaliar o grau para que o mesmo possua uma liberação médica a fim de realizar a prática da corrida, uma vez que a força do impacto das passadas na corrida também podem causar uma fratura óssea, dependendo do grau de avanço da doença.

Sendo assim, faça o um check-up com seu médico e procure saber se você está liberado para fazer da corrida uma prática de exercícios rotineiros que, como todos sabem, além de fazer bem para o coração, agora sabemos que também faz bem para os ossos!

19/02/2019

0respostas em "A Corrida e a Osteoporose"

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis + nove =

Desenvolvido por UPLevel Marketing Digital © L2G Cursos. Todos Direitos Reservados.
X